Artigo

Artigos

A importância do ensino musical para crianças na escola

A musicalização na escola promove a aproximação entre os alunos e favorece a inclusão dos mais tímidos em brincadeiras e atividade pedagógicas. A música é uma excelente ferramenta de desenvolvimento nos mais diversos níveis, ajuda a melhorar as capacidades de criação, emoção, interação e aprendizagem. Em todas as fases do ser humano ela é importante, […]


Em 16 de março de 2018

Compartilhar este artigo

A musicalização na escola promove a aproximação entre os alunos e favorece a inclusão dos mais tímidos em brincadeiras e atividade pedagógicas.

A música é uma excelente ferramenta de desenvolvimento nos mais diversos níveis, ajuda a melhorar as capacidades de criação, emoção, interação e aprendizagem. Em todas as fases do ser humano ela é importante, mas na infância, a música se torna essencial, pois é nessa etapa que o ser humano está mais suscetível a absorver todo tipo de conhecimento para a sua evolução como um todo.

Descobertas
Estudos comprovam que o contato musical, desde o ventre, já beneficia a criança em gestação. O primeiro sentido que se forma no ser humano é a audição, assim, a vida intrauterina é uma local onde muitos sons são ouvidos, e esses sons influenciam significativamente no desenvolvimento bebê. Muitos pediatras e terapeutas infantis recomendam a musicalização para impulsionar o progresso desde o ventre materno.
Desde o nascimento, até os dois anos, a criança está descobrindo os diversos tipos de sons que a cercam, já consegue perceber os timbres de voz e diferenciar sons agudos dos graves. Ela também já demonstra interesse ou não por determinados sons. Assim, se pode fazer uso de recursos musicais para acalmar e brincar, e essa interação com as melodias desenvolvem a fala e a capacidade de entendimento dos bebês.
Especialmente em crianças pequenas, a música ajuda a desenvolver a coordenação motora com os movimentos e danças. Além disso, os sentidos são estimulados, e elas se familiarizam com as letras, mesmo em outras línguas, e com a cultura. Ao ingressar na idade escolar, a criança começa a aprender coisas novas e a desenvolver o raciocínio lógico, a leitura e a escrita. Muitas são as técnicas recomendadas para intensificar esse processo, porém, a musicalização no ambiente escolar se destaca.
Quer saber mais sobre a importância do ensino musical para crianças na escola? Confira!

Música na escola
A prática musical é uma ferramenta pedagógica que facilita o processo de ensino e aprendizagem. Ela também proporciona dinamismo às aulas, já que permite uma troca na integração das disciplinas. Ensinar fórmulas matemáticas ou regras gramaticais em forma de música, por exemplo, torna tudo mais leve e divertido e, sem perceber, o aluno aprende mais e melhor.

Vantagens
O desenvolvimento social também é beneficiado pelo contato com a música. Quando a criança canta, toca ou dança, ela interage com os demais, se torna mais autoconfiante e alegre. A criança se expressa melhor tanto pela fala quanto pelos movimentos corporais e desenvolve a noção de ritmo. A musicalização na escola promove a aproximação entre os alunos e favorece a inclusão dos mais tímidos em brincadeiras e atividade pedagógicas.
Pesquisas comprovam que aprender a tocar um instrumento na infância desenvolve a parte do cérebro responsável pelos conhecimentos de lógica e cálculos, bem como a memória e a concentração, pois é preciso decorar notas e letras de músicas e também ter noção de escalas e de contagem de tempo entre uma nota e outra. Sem falar no desenvolvimento motor, quando a criança precisa exercitar a posição correta de mão, braços e pernas na execução de alguma música. Assim, a música se torna um facilitador do desenvolvimento geral do indivíduo.
O Colégio Suíço-Brasileiro utiliza a Iniciação Musical no ensino, desde a Educação Infantil, estimulando habilidades psicológicas e cognitivas. O resultado é um alto nível de desempenho dos alunos em todas as áreas do aprendizado. Acesse o site e saiba mais. Se preferir, ligue (41) 3525-9100 e faça-nos uma visita.
 

 

Fontes: Uol; Escribo.