Artigo

Artigos

As vantagens da data de corte etário

No Brasil, existiam 8 diferentes datas de corte sendo aplicadas pelo país. Como o assunto gerava muitas divergências, acabou sendo encaminhado para o Supremo Tribunal Federal. Em votação no dia 01/08, foi decidido que o corte etário será na data de 31 de março. Isso significa que a criança deve completar 6 anos até esta […]


Em 03 de outubro de 2018

Compartilhar este artigo

No Brasil, existiam 8 diferentes datas de corte sendo aplicadas pelo país.

Como o assunto gerava muitas divergências, acabou sendo encaminhado para o Supremo Tribunal Federal. Em votação no dia 01/08, foi decidido que o corte etário será na data de 31 de março. Isso significa que a criança deve completar 6 anos até esta data para poder ingressar no 1º ano. Caso a criança aniversarie após 31 de março, ingressará no ano seguinte. Essa data já estava estipulada também pelo Conselho Nacional de Educação CNE desde 2010, porém, por ordem judicial alguns Conselhos Estaduais de Educação, ou mesmo escolas privadas, obtiveram autorização para definir outras datas. A unificação de uma data nacional, necessita de tempo para ajustes dessa transição.

Uma crítica comumente feita a essa lei, é o fato de nivelar todos os alunos por média e idade e não pela capacidade cognitiva. Esse argumento, porém, acaba não se aplicando apenas à data de março, mas também a maio, junho ou dezembro. Por outro lado, uma idade padrão em todo país facilita muito as transferências entre estados, cidades ou escolas, independentemente de onde a criança veio ou para onde ela irá. O ano em curso será respeitado.

Na Educação Infantil de todo o país, foi definido que as atividades devem ser de cunho mais lúdico. No Ensino Fundamental o trabalho será especialmente visando uma boa alfabetização. São muitas alterações recentes ocorreram no País, como: a implantação do Ensino Fundamental com 9, ao invés de 8 anos de duração. Ademais, passou a ser obrigatória a matrícula de crianças de 4 e 5 anos de idade.

Como o Colégio Suíço-Brasileiro de Curitiba se posiciona frente a essa data de corte?

A seguir, trazemos alguns critérios com relação à maturidade da criança, que é uma consequência da data de corte em março:

Competências: Os alunos compreendem melhor o estímulo que está sendo utilizado para desenvolver suas habilidades e competências antes mesmo de terem ciência sobre o conteúdo. Para criar atividades é necessário saber quais áreas estão sendo estimuladas e quais competências estão se desenvolvendo. Destacamos a proficiência nas competências cognitivas, intrapessoais, social e física-consciência corporal, num primeiro momento.
Desenvolvimento encefálico: O conhecimento mais aprofundado do funcionamento do cérebro permite afirmar, que a maturidade auxilia na construção de estratégias que estimulem a aprendizagem e que promovem o potencial de cada indivíduo, principalmente nos primeiros anos de vida. A neuroeducação auxilia no conhecimento de ferramentas, estratégias e metodologias de acordo com as diferentes áreas encefálicas, respeitando a individualização para aprender. Maturidade é um facilitador de aprendizagem.
Metodologias: o aluno usufrui melhor das diferentes metodologias propostas, sendo que a individualização para aprender é respeitada. Consequentemente, mesmo com maturidades diferentes, um professor sistêmico conseguirá levar cada um de seus alunos a sua zona de desenvolvimento proximal.
Maturidade: na tênue idade, a maturidade muitas vezes é confundida com inteligência. Estimular a maturidade no sentido intelectual, social, emocional, físico ou psicomotor é fundamental para a acomodação e assimilação de temas geradores utilizados para desenvolver tanto as competências, como os conteúdos. Crianças mais maduras tendem a incorporar melhor a aprendizagem.
Prontidão: o estudante necessita estar preparado e com interesse para aprender e se desenvolver. Isso está relacionado com a base anteriormente formada, seja na família ou na própria escola.
Autonomia: aspecto muito importante que é reforçado cotidianamente no colégio, por meio do incentivo à independência do aluno, permitindo a tomada de decisão, e escolhas próprias. Esse estímulo é facilitado quando a criança se sente pronta para atuar no ambiente buscando soluções para aspectos que a desafiam.
Inteligência emocional: muitos aspectos são compreendidos e estudados nesse quesito. A maturidade permeia com toda certeza esse campo da mente e do corpo.
Formalização da alfabetização: para uma alfabetização e letramento no nosso colégio, é fundamental a maturidade, visto que a alfabetização ocorre de forma bilíngue e não pode meramente ser realizada de forma mecânica e silábica, como em métodos comuns.
Resolver conflitos e saber se posicionar no bullying: estar mais maduro facilita a aprendizagem do diálogo. A criança aprende a se impor, a argumentar, mediar e se fazer respeitar.
Liderança: crianças mais maduras têm mais facilidade de influenciar colegas, perceber quando possuem uma liderança espontânea ou por reconhecimento. A manipulação é mais facilmente identificada quando ocorrida entre crianças mais maduras. Nem todos precisam liderar, mas todos devem poder ter a opção de fazê-lo se desejarem. Liderança também pode ser desenvolvida.
Equilíbrio e bom senso: são aspectos muito importantes para a formação emocional dos educandos. Quanto mais maduros, mais oportunidades de participar de trabalhos que desenvolvem a própria segurança.

 

É perceptível que nossa comunidade escolar respeita esse corte etário, já adotado no nosso colégio há alguns anos.

Todos nossos alunos já estão adequados no novo corte etário para 2019. Consideramos esse aspecto um ganho nas habilidades cognitivas e na formação das competências.

Nosso interesse é o de formar cidadãos conscientes, realmente atuantes na sociedade e seguros desde a infância.

 

 
Fontes: Ministério da Educação, Supremo Tribunal Federal, Movimento Todos pela Educação e Conselho Nacional de Educação